METODOLOGIA

Nossa proposta pedagógica continua pautada no Sistema Montessoriano. Partindo desta metodologia, levamos a criança a desenvolver suas potencialidades de acordo com a sua faixa etária, atendendo suas necessidades individuais.

Sabemos que a criança aprende através da ação e do movimento, conhecendo e se adaptando ao mundo através do aspecto sensorial, desenvolvendo assim os pré-requisitos para aprendizagem como atenção, concentração, organização e autonomia em diferentes momentos e nas atividades do dia-dia.

O Sistema Montessori foi desenvolvido em 1907 pela Dra. Maria Montessori, tendo como Princípio Filosófico o respeito ao sistema de valores essenciais à formação do Homem integrado, consciente e responsável.

Na Educação como Ciência, sua elaboração pedagógica nasce de suas constatações experienciais, desenvolvendo uma pedagogia científica capaz de respeitar as leis do desenvolvimento da criança, suas fases evolutivas, fazendo referência ao respeito às leis estabelecidas na estreita relação entre natureza, vida e sociedade humana. Desenvolveu materiais científicos para que a criança possa desenvolver a auto-construção a partir de sua força interior.

O ambiente preparado pode encorajar a criança a se desenvolver cognitivamente e socialmente se for adequado às suas necessidades, tendo papel importante no Método.

O ambiente preparado tem por finalidades:

  • Favorecer a atividade da criança permitindo-a mover-se acertadamente em função de fins bem determinados e precisos;
  • Tornar a criança, nas atividades propiciadas, o mais possível independente do adulto, levando-a a adquirir auto confiança, autodomínio e um acurado comportamento de observação;
  • Permitir que cada criança caminhe de acordo com seu próprio ritmo;
  • Proporcionar trocas de experiências entre crianças de diferentes idades.

Fisicamente ele se caracteriza por ser:


  • Proporcional ao tamanho da criança (para mover-se corretamente);
  • Limitado (evitando estímulos desnecessários);

  • Simples (eliminando tudo que possa confundir);

  • Modificável (favorecendo ajustes aos interesses do momento);

  • Ordenado (local exato de cada coisa);

  • Atraente e calmo.

“Quanto mais ativo é o mestre, mais passiva é a criança.
Quanto mais passivo é o mestre, mais ativa é a criança.”

Para Montessori, o trabalho do professor é o de um Guia. Ele guia ensinando o manuseio do material, utilizando palavras exatas, orientando cada trabalho; guia ao impedir qualquer desperdício de energia ou, eventualmente, restabelecendo o equilíbrio.

O professor é mais passivo que ativo e sua paciência deve estar composta de ansiosa curiosidade científica e de absoluto respeito pelo fenômeno que queira observar.

Ele ensina pouco, fala pouco, mas observa muito e, sobretudo tem a missão de orientar a atividade psíquica e o desenvolvimento fisiológico das crianças.

É o conhecimento e o domínio do Eu físico, psíquico e espiritual, buscando a “normalidade”, o ritmo biológico natural, a “quietude” mental, que proporcionará condições perfeitas para a aquisição da aprendizagem, para o desenvolvimento espiritual, para o fortalecimento emocional.

Formas de normalização:

Normalização Assistemática:
– A rotina diária
– Atitudes da professora (modelo)
– Ambiente adequado.

Normalização Sistemática:
– Aulas de Linha

Dentre as atividades propostas pelo ambiente preparado, a execução de tarefas da vida cotidiana – chamadas por Montessori “Atividade de Vida Prática” – constituem-se o início de uma longa marcha em direção às atividades muito complexas exigidas pela escola e pela vida fora dela.

O movimento e a ordenação que estas atividades possibilitam são vistos como um meio de aperfeiçoamento: pré-requisito de todas as aquisições comportamentais.

Exemplos de atividades: lavar as mãos, alimentar-se sozinho, escovar os dentes, limpar a mesa, varrer o chão e etc.

Esses materiais obterão melhores resultados se forem apresentados às crianças após terem adquirido certa concentração ao trabalharem com eles os materiais. Podem ser, por exemplo, os de Vida Prática.

Ao contrario desses materiais, que não obedecem a uma determinação científica, os materiais Sensoriais são fixados em sua quantidade e em suas qualificações, ou seja, seguem uma determinada qualidade física dos objetos, tais como cor, forma, dimensão, som, grau de aspereza, peso, temperatura, etc… Há uma graduação diferente em cada conjunto de material na qual essa diferença de objeto para objeto varia regularmente e, quanto possível, é matematicamente estabelecida. São ainda características desses materiais:

• isolar uma qualidade única;
• possuir o controle do erro;
• ser graduado em seus elementos;
• ser limitado;
• ser estético.

No sistema Montessori, o tempo exigido para a aquisição da escrita, da leitura e das operações aritméticas fundamentais é reduzido a algumas semanas, graças a uma preparação indireta anterior, representada pelos exercícios com o material Sensorial, que começam a ser trabalhados no Berçário.

O estímulo da Linguagem é realizado através da nomenclatura, conversa, leitura, músicas, até a apresentação informal de diferentes gêneros textuais para que na Educação Infantil possam dar continuidade ao processo de alfabetização.

Nesta faixa etária trabalhamos para que as crianças entrem em contato com diferentes linguagens artísticas como pintura, música, teatro, escultura, entre outros, tendo a possibilidade de experimentar e vivenciar a arte em diferentes situações do dia-dia.
Ter o primeiro contato com o cosmo, com o mundo, com a natureza, com questões sociais são possibilidades nesta área de conhecimento a partir de atividades práticas e sensoriais.
Fechar Menu